Iatrofobia - medo de médicos

Friday, 27 November 2009



Aposentado inglês (pensionista em Portugal) com fobia de médicos mata-se por medo de mancha inocente que pensou ser câncer (cancro em Portugal)

Pensioner with doctor phobia killed himself over harmless spot he thought was cancer (Daily Mail)

Um aposentado com fobia de médicos suicidou-se a caminho de seu médico de família após convencer-se de que tinha câncer. O senhor Dart, de 76 anos estava com tanto medo de ir à clínica que visitou um bar (pub), bebendo muito antes de avisar ao garçom que tinha câncer e iria se matar. Após sua família dar o alarme de que o senhor Dart tinha desaparecido, 24 horas depois seu corpo foi encontrado a flutuar em um rio.
 
Iatrofobia - medo de médicos
 
Iatrofobia é uma palavra que deriva do grego (assim como para todas as fobias) que designa medo de médicos, medo de ir ao médico, medo de visitas médicas.
A iatrofobia é mais uma fobia específica, termo genérico destinado a todos os tipos de transtornos de ansiedade que resultam de medo irracional relacionado à exposição a objetos ou situações específicas. Como resultado, a pessoa que sofre da fobia tende a evitar ativamente qualquer contato com os objetos e situações que estimulam a ansiedade.
 
O medo e a ansiedade podem ser iniciados tanto pela presença do objeto ou situação quanto em antecipação (como no caso descrito acima) a eles. A pessoa sempre sofre de desconforto quando encontra o gatilho de seu medo e em casos mais graves pode apresentar ataques de pânico. Embora o indivíduo conheça a causa de seu desconforto e muitas vezes compreenda que seu medo é "irracional", é lhe impossível evitar a manifestação psicológica e somática de seu desconforto.
 
No caso específico da iatrofobia, diversas pessoas apresentam desconforto na presença do médico (conhecida no meio médico como Síndrome do Jaleco Branco ou Síndrome da Bata Branca em Portugal). Este desconforto deriva em geral da longa espera, do ambiente estéril e com cheiro de desinfetante químico, e da possibilidade de procedimentos dolorosos. Estes fatores são suficientes para causar ansiedade em quase todos e muitos chegam a apresentar manifestações somáticas como sudorese, aumento da pressão arterial e taquicardia.
 
Os sinais abaixo denotam um quadro de ansiedade mais pervasivo, que pode limitar o acesso do indivíduo aos cuidados de saúde. Nesse quadro pode haver necessidade de acompanhamento ou investigação por um profissional de saúde mental:
 
  • Preocupações compulsivas - o indivíduo passa grandes períodos de tempo a pensar sobre a consulta ou como evitá-la
  • Dificuldade de concentração no consultório médico, acompanhada de sentimentos de pânico e de perda de controle.
  • Presença de outras fobias relacionadas à doenças - muitas pessoas com iatrofobia preocupam-se com a necessidade de ter de visitar o médico, mesmo que não haja nada marcado. O indivíduo pode-se tornar obcecado com pequenos problemas, com medo de que venham a requerer tratamento médico. É comum que a iatrofobia ocorra em conjunto com a hipocondria (medo irracional de ter uma doença séria) e a nosofobia (medo irracional de contrair uma doença)
  • Adiar constantemente a consulta médica
  • Pode estar associada à dentofobia (medo irracional de dentistas)
Tratamento
Devido à natureza do medo, a iatrofobia pode ser mais difícil de tratar. Muitas pessoas com iatrofobia apresentam o mesmo medo e ansiedade em relação a outros profissionais de saúde mental (psicólogos, enfermeiros, terapeutas).
Alguns serviços de saúde mental oferecem ajuda via telefone ou internet (as hotlines). Embora o contato pessoal seja sempre preferível, estes serviços podem ajudar a reduzir a ansiedade a níveis toleráveis para o contato pessoal posterior. Serviços de saúde mental disponíveis em ambientes menos característicos de saúde, como consultórios confortáveis, casas transformadas em centros de atenção à saúde e outros não causam tanta ansiedade no doente. Profissionais da área que evitam o uso de vestuário e aparato médico também são melhor indicados para estes pacientes.
Terapia cognitivo-comportamental, hipnose e terapia de grupo são as mais indicadas nestes casos.

Referências:

American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Text Revision (DSM-IV-TRTM), 4th edition. AmericanPsychiatric Association.  (2000)

Leslie A. Fiedler, Tyranny of the Normal: Essays on Bioethics, Theology & Myth, p. 114. (1996)

 Lisa Fritscher. Iatrophobia, Fear of Doctors. About.com Guide. Disponível em http://phobias.about.com/od/phobiaslist/a/iatrophobia.htm

American Psychiatric Association. "Let"s talk about Phobias." PSYCOLOGY http://www.psych.org/public_info/phobias.html (24 Oct. 2000)

Steffano Castillo Vera. Estudio de las fobias humanas y su relevancia en la sociedad actual. (29 Jan 2009). Disponível em http://www.monografias.com/trabajos66/fobias-sociedad-actual/fobias-sociedad-actual.shtml

Posted by Vanessa Marsden at 04:27  

1 comments:

Uma das coisas que eu odeio são os psiquiatras! Uma vez eu tinha que ir e quase me deixou louco. Eu prefiro ir ao especialista em densitometria ossea do que ver um psiquiatra.

Fran macfrazer said...
2 December 2012 at 18:29  

Post a Comment