O parto como rito de passagem

Wednesday, 18 November 2009

Devo analisar friamente o post a seguir e dizer que, devido ao fato de estar grávida, minha atenção tem sido chamada para textos que provavelmente não leria antes... Especialmente os que dizem respeito à mecanica do parto. Nunca me interessei muito pela matéria, cumprindo a carga horária necessária em ginecologia do curso de medicina sem pensar duas vezes sobre o assunto. Um colega poderia pensar "isso é negação básica", argumento com o qual deveria concordar. De qualquer forma, passeando pela blogosfera encontrei um blog (ou blogue como se escreve em Portugal) extremamente interessante que faz uma análise do parto que nunca encontrei antes. O post abaixo é retirado do Blog Barrigas e Bebés e recomendo a todos uma visita. O texto é polêmico e vale uma reflexão.



["Birth Messages"; o caso da episiotomia]

"Faz uma análise simbólica dos procedimentos de rotina do parto hospitalar, por ela denominado de modelo tecnocrático do parto. Seu objetivo é elucidar os motivos pelos quais as instituições, a despeito das contra-indicações assinaladas pelas evidências científicas, continuam promovendo o uso rotineiro de vários desses procedimentos, entre os quais a episiotomia. Eles desempenham importantes funções rituais e simbólicas, atendendo, com sucesso, a diversas demandas importantes dos profissionais de saúde responsáveis pela assistência ao parto, das mulheres em trabalho de parto e da sociedade e cultura mais abrangentes.

A episiotomia é analisada como uma mutilação ritual. A vagina, em diversas culturas, inclusive a nossa, é símbolo por excelência daquilo que é natural, sexualmente poderoso e criativo na mulher, sendo, por isso mesmo, vista como ameaçadora pelos homens. É relembrada a figura mitológica da vagina dentada, que ameaça consumir ou castrar o macho impotente. No ocidente, a crença na superioridade da cultura sobre a natureza se expressa através da metáfora, popularizada por Descartes, do corpo-máquina humano, cujo controle e aperfeiçoamento cabe à ciência. O corpo da mulher é retratado pela medicina como uma máquina inerentemente defeituosa. Os argumentos em prol da episiotomia de rotina reiteram esta simbologia ao afirmar que sua adoção protege a parturiente e seu concepto dos perigos apresentados pelo defeituoso corpo feminino. Para a autora, esse é um dos procedimentos através dos quais se 'manifesta a tentativa cultural de utilizar o nascimento para demonstrar a superioridade e controle do Masculino sobre o Feminino, da Tecnologia sobre a Natureza'. Através dessa operaçào, a vagina é desconstruída pelo médico, oficiante do rito e representante da sociedade, para ser então reconstruída culturalmente.

Ademais, a episiotomia é útil conceitualmente para a obstetrícia. Ao transformar o nascimento em um procedimento cirúrgico de rotina, legitima-se a obstetrícia enquanto ato médico, pois se incorpora à sua prática um elemento central da medicina ocidental e uma das formas mais elaboradas de manipulação do corpo-máquina humano - a cirurgia. O ápice desse processo se dá com a adoção da cesariana como procedimento de rotina, sendo o Brasil citado como ilustração."

Robbie E. Davis-Floyd, Birth as an American Rite of Passage. Berkeleyand Los Angeles, University of California Press, 1992. (Resenha assinada por Sonia N. Hotimsky, no Notas sobre Nascimento e Parto, AnoIII, nº6, novembro de 1998, publicação do Grupo de Estudos sobreNascimento e Parto / Instituto de Saúde-SES-SP).

Update: Uma colega da blogsfera, responsavel pelo blog "Vai, Carla! Ser Gauche na Vida!" e o post que adorei Mulheres: o parto é nosso, conheceu pessoalmente Robbie E Davis-Floyd e encontrei um link para sua página pessoal. Achei interessante o fato de Davis-Floyd ser antropóloga cultural e médica, temas que têm aparecido corriqueiramente neste blog.
Obrigada Carla!

3 comments:

Oi Vanessa,

Só uma correção: o nome de meu Blog é "Vai, Carla! Ser Gauche na Vida!".

Beijos

Carla Beatriz said...
24 November 2009 at 05:46  

Foi mal Carla, vou corrigir imediatamente!

Vanessa Marsden said...
24 November 2009 at 06:46  

Vanessa,

Sem problemas!

Eu fiquei feliz por fazer mais uma amiga virtual na blogosfera. :-)))

Beijos

Carla Beatriz said...
25 November 2009 at 05:35  

Post a Comment