Uma visão artística da dependência química e da recuperação

Saturday, 28 November 2009

Quando morei em Portugal, a novela da SIC Vingaça estava no ar. Era até divertida, mas perdi muitos capítulos e nem mesmo sei como terminou (se alguém assistiu e quiser me iluminar, fique a vontade para escrever um comentário).
Lembro-me que a trilha sonora era muito boa e comprei o CD. Nele estava uma música do Blue October (era tema do Rodrigo Lacerda!) que nunca tinha ouvido, que trata da toxicodependência de uma forma muito profunda.

Geralmente quem não está diretamente envolvido na problemática e no tratamento de toxicodependentes rapidamente se esquece, em meio à criminalidade e aos comportamentos antissociais, que eles também sofrem. Todos neste contexto sofrem: a família, a sociedade e o usuário. A compulsão pela substância acaba por consumí-lo numa espiral que, embora o paciente veja onde vai, não consegue pará-la. E é por isso que gosto muito da música a seguir, que mostra a dor dele (como dependente) e a que causa à mãe.

A letra, vídeo e tradução para o português vão abaixo.

Hate Me - Blue October




I have to block out thoughts of you so I don't lose my head
They crawl in like a cockroach leaving babies in my bed
Dropping little reels of tape to remind me that I'm alone
Playing movies in my head that make a porno feel like home
There's a burning in my pride, a nervous bleeding in my brain
An ounce of peace is all I want for you. Will you never call again?
And will you never say that you love me just to put it in my face?
And will you never try to reach me? It is I that wanted space

Hate me today
Hate me tomorrow
Hate me so you can finally see what's good for you

I'm sober now for 3 whole months it's one accomplishment that you helped me with
The one thing that always tore us apart is the one thing I won't touch again
In a sick way I want to thank you for holding my head up late at night
While I was busy waging wars on myself, you were trying to stop the fight
You never doubted my warped opinions on things like suicidal hate
You made me compliment myself when it was way too hard to take
So I'll drive so fucking far away that I never cross your mind
And do whatever it takes in your heart to leave me behind

Hate me today
Hate me tomorrow
Hate me for all the things I didn't do for you

Hate me in ways
Yeah ways hard to swallow
Hate me so you can finally see what's good for you

And with a sad heart I say bye to you and wave
Kicking shadows on the street for every mistake that I had made
And like a baby boy I never was a man
Until I saw your blue eyes crying and I held your face in my hand
And then I fell down yelling "make it go away!"
Just make a smile come back and shine just like it used to be
And then she whispered "How can you do this to me?"

Hate me today
Hate me tomorrow
Hate me for all the things I didn't do for you

Hate me in ways
Yeah ways hard to swallow
Hate me so you can finally see what's good for you


Tradução:

Odeie-me (Blue October)


Eu tenho que bloquear pensamentos sobre você para não peder a cabeça
Eles rastejam em mim como uma barata a deixar ovos em minha cama
Deixo cair pequenas rodas de fita de vídeo para me lembrar que estou sozinho
A passar filmes na minha cabeça que fazem com que um pornô sinta-se em casa
Há um queimor em meu orgulho, uma hemorragia nervosa no meu cérebro
Um pouco de paz é tudo que eu quero para você. Você nunca mais vai ligar?
E você nunca mais vai dizer que me ama, só para me jogar na cara?
E você nunca mais tentará se aproximar de mim? Era eu que queria espaço

Odeie-me hoje
Odeie-me amanhã
Odeie-me para que eu finalmente veja o que é bom para você

Estou sóbrio agora desde há 3 meses e foi algo que você me ajudou a conquistar
A única coisa que nos separava é a coisa que nunca mais vou tocar
De um jeito doente eu quero agradecer-te por ter segurado minha cabeça levantada tão tarde da noite
Enquanto estava ocupado fazendo guerras contra mim mesmo, você estava a tentar parar o conflito
Você nunca duvidou das minhas opiniões torpes sobre coisas como o suicídio por ódio
Você fez com que eu me elogiasse quando tudo era demais para aguentar
Então eu vou dirigir para muito longe daqui que eu nunca mais estarei na sua mente
E faça o que for preciso no seu coração para que ele me deixe para trás

Odeie-me hoje
Odeie-me amanhã
Odeie-me por todas as coisas que não fiz por você

Odeie-me de jeitos
Jeitos difíceis de engolir
Odeie-me para que você finalmente veja o que é bom para você

E com um coração triste eu tenho que te dizer adeus e acenar
Chutando sombras na rua por cada erro que cometi
E como um bebê eu nunca fui um homem
Até que vi seus olhos azuis a chorar e segurei seu rosto em minha mão
E caí ao chão a gritar “faça isso desaparecer!”
Apenas faça com que um sorriso volte e brilhe como constumava ser
E então ela suspirou “Como podes fazer isso comigo?"

Odeie-me hoje
Odeie-me amanhã
Odeie-me por todas as coisas que não fiz por você

Odeie-me de jeitos
Jeitos difíceis de engolir
Odeie-me para que você finalmente veja o que é bom para você

1 comments:

Bom dia,

Gostei do teu blog, compreendes, ou pelo menos tentas compreender o outro lado. Eu faço parte do outro lado (hoje ha 3 anos em recuperação), talvez o meu blog te interesse. Convido-te a dar uma vista de olhos no re-entrada.blogspot.com
1 abraço,
Luis

Luis F. said...
25 May 2010 at 06:08  

Post a Comment