Como fazer cobertura adequada de casos de suicídio na mídia

Tuesday, 2 March 2010

Desde que comecei a fazer parte da comunidade do Research Blogging, meus horizontes se expandiram. Com as atualizações disponíveis tanto no site em questão, quanto pelo twitter, tomo conhecimento de importantes contribuições de pesquisadores que debatem pesquisas avaliadas por pares (peer-reviewed). O resultado são blogs que enriquecem tanto leigos quanto especialistas de todas as áreas, que elevam o nível da discussão de assuntos polêmicos e cotidianos.

Ao ler minhas atualizações hoje pela manhã, encontrei o blog Dr. Deb, que traz o post The Importance of Proper Media Coverage of Suicide. Escrito por uma psicóloga, especialista em trauma e depressão, o post traz importantes aspectos sobre como a mídia e os meios de comunicação devem informar sobre casos de suicídio para não glamourizá-los e criar novos casos (lembram-se do suicídio de Kurt Cobain do grupo de rock Nirvana?). Repórteres e jornalistas deveriam conhecer os dados abaixo antes de fazer/ler qualquer matéria sobre o assunto.

O post original (no inglês) pode ser lido no link acima. Traduzi alguns dos principais aspectos abaixo:

"A forma como os meios de comunicação reportam casos de suicídio podem fazer uma de duas coisas: Pode criar uma tendência contagiosa inadvertidamente ou pode educar e ajudar outros a receber tratamento.

O que se deve evitar:

  • Descrições detalhadas do suicídio, incluíndo especificidades como método e local - Descrições detalhadas aumentam o risco de um indivíduo vulnerável imitar o ato.
  • Evite romancear alguém que morreu por suicídio. Evite mostrar tributos de amigos ou relativos. Evite relatos na primeira pessoa de adolescentes sobre suas tentativas de suicídio. - Quando se dá atenção positiva a alguém que morreu por suicídio (ou tentou), pode-se fazer com que indivíduos vulneráveis que desejem ser o centro das atenções tentem tirar suas próprias vidas.
  • Evite glamourizar o suicídio de uma celebridade - pode causar uma epidemia entre jovens vulneráveis. Não deixe que o glamour da celebridade em questão deixe em segundo plano problemas mentais ou com drogas que possam ter contribuído para sua morte.
  • Evite supercitar a frequência de suicídios - supercitar a frequência do suicídio (utilizando expressões como "epidemia de suicídios) pode fazer com que indivíduos vulneráveis pensem que é uma resposta aceitável ou normal para seus problemas. Mesmo nas populações com altos índices de suicídios, os mesmos são raros.
  • Evite palavras como "cometeu suicídio", "tentativa falhada de suicídio" ou "sucesso ao cometer suicídio". - O verbo cometer é usualmente utilizado para pecados ou crimes. O suicídio é melhor entendido em um contexto de saúde e não criminal. Considere utilizar a frase "morreu por suicídio". "Tentativa falhada de suicídio" ou "sucesso" indicam resultados favoráveis ou inadequados. Considere utilizar "morte por suicídio" ou "tentativa de suicídio não-fatal".
O que fazer

  • Sempre inclua um número de telefone e informação sobre onde buscar ajuda
  • Enfatize os recentes avanços no tratamento da depressão e outras doenças mentais. Inclua histórias de pessoas cujo tratamento salvou suas vidas ou que conseguiram lidar com o desespero/desamparo sem tentar o suicídio.
  • Entreviste um profissional de saúde mental que tenha conhecimento sobre suicídio e o papel do tratamento ou avaliação de doenças mentais como estratégia de prevenção
  • Enfatize ações que a comunidade pode por em prática para prevenir suicídios
  • Inclua um quadro com sinais de alerta, fatores de risco e de proteção ao suicídio."
Onde procurar ajuda:

No Brasil
CVV - Centro de Valorização da Vida. http://www.cvv.org.br/

Em Portugal
http://www.telefone-amizade.pt/site/suicidio/ajuda/

Foto: http://pathwayscourses.samhsa.gov/suicide/images_suicide/life-preserver.jpg

Posted by Vanessa Marsden at 07:13  

6 comments:

Muito bom! Irei ter muita atenção a estas recomendações.

ex ana said...
2 March 2010 at 12:01  

oi tenho acompanhado seu blog sou bipolar e me sinto muito confusa em relação a tudo e principalmente o suicidio na mesma hora que tenho vontade tenho medo não sei se isso é bom ou ruim faço tratamento psiquiatrico mas no momento não estou fazendo terapia as vezes sinto uma angustia que chega a doer minha cabeça, li um livro bem interressante "Uma mente inquieta" e comprei outro sobre temperamento e bipolaridade, vc teria algum sobre esses assuntos pra me recomendar adoro ler.
Obrigada desculpe oculpar seu tempo.
Eliana Rodrigues
eliana1976@ig.com.br

Eliana said...
3 March 2010 at 07:31  

Cara Eliana

Vou responder seu comentário por email, ok? Em qualquer caso, vale a pena visitar um grupo online de pessoas com transtorno bipolar no seguinte link:
http://bipolarbrasil.blogspot.com/

La estao diversos depoimentos e indicações de livros e filmes. É sempre bom sabermos que não somos os únicos no mundo a sofrer com tal situação, então recomendo a visita.

Vanessa Marsden said...
3 March 2010 at 08:02  

Parabéns pelo blogue!! ehehe Está uma matéria muito interessante! E que de certa forma está a ajudar quem o lê... É um blogue muito diversificado! Parabéns!

Beijo grande*
Paula

Paula Cristina Teixeira said...
5 March 2010 at 07:36  

Muito bom artigo, orientações claras em relação ao suicídio, obrigado! "Schneider Carteles
Letreros Señaleticas"

EsSchneider said...
27 October 2011 at 07:08  

Informações interessantes exibidos na suicídio e sua prevenção. "Fitness Elipticas Mancuernas"

Fitness Options said...
14 November 2011 at 08:49  

Post a Comment