Boas festas!

Tuesday, 21 December 2010

Caros

O blog vai ficar meio desatualizado por uns dias. Inglaterra esta congelada, com temperaturas articas (-15 a noite) e na tentativa de embarcar de Heathrow, no meio do caos, para destinos mais amenos! Assim desejo boas festas a todos e um prospero ano novo!

Foto:http://www.telegraph.co.uk/topics/weather/4432363/Snow-Britain-Aircraft-slides-on-icy-grass-at-Heathrow.html

Posted by Vanessa Marsden at 04:07 1 comments  

Facebook coloca novo dilema ético a médicos

Saturday, 18 December 2010

Da revista Veja, acessível neste link


Pesquisadores sustentam que profissionais que mantêm perfis na rede não estão preparados para lidar com pacientes no ambiente virtual

Um em cada sete médicos disseram que decidiriam caso por caso se adicionariam um paciente como amigo no Facebook.

A adesão de médicos à rede social Facebook abriu um novo debate sobre a ética desses profissionais. Estudo realizado por pesquisadores do Hospital Lariboisièreque, na França, que ouviu 400 médicos em formação na Universidade Hospital Rouen mostrou que 73% dos entrevistados mantêm perfis na rede com dados que permitem facilmente sua identificação - caso de nome real, data de nascimento e foto (91%). Um em cada sete médicos acrescentou ainda que poderia adicionar pacientes em seu grupo de amigos do Facebook.



"Essa nova interação entre paciente e médico resulta em uma situação eticamente problemática, porque não está relacionada à assistência direta ao paciente”, defenderam os autores do estudo no Journal of Medical Ethics. "Além disso, a disponibilidade pública de informações sobre a vida privada de um médico pode ameaçar a confiança mútua entre ele e seu paciente. Comentários e fotos postados on-line podem ser mal interpretados fora do seu contexto original e podem não refletir com precisão as suas opiniões e comportamentos da vida real.”



Por ora, a preocupação dos estudiosos pode ser exagerada. Poucos pacientes de fato pediram a seus médicos que os aceitassem entre seus grupos de amigos. Segundo o estudo, só 6% dos médicos entrevistados haviam recebido tal solicitação; 4% aceitaram.



Porém, os autores da pesquisa preveem que esses números vão aumentar com o tempo e apostam que os médicos não estão preparados para isso. Só 61% haviam mudado suas configurações de privacidade, mas 17% não lembravam que alterações haviam promovido. Profissionais com menos de um ano de cadastro na rede se mostraram mais suscetíveis a erros nessas configurações. Além disso, 55% davam informações profissionais no perfil e 59%, dados sobre sua formação.



A grande maioria, contudo, ainda diz que recusaria imediatamente um pedido de amizade de um paciente (85%). As razões mais citadas para isso são o medo de interesse romântico e a necessidade de manter uma distância profissional. Só no fim da lista apareceu a suspeita de que a relação on-line fosse antiética. O Facebook se recusou a comentar a pesquisa

Posted by Vanessa Marsden at 12:46 0 comments  

Terapia cognitivo comportamental (TCC) em sintomas e pensamentos paranoicos

Wednesday, 8 December 2010

Paranoia: ideia exagerada ou deliberada de que outros estão a tentar causar mal ao paciente, desde ameaças físicas a psicológicas. Conforme post anterior, pesquisas recentes demonstram que pensamentos paranºoicos são mais comuns do que se pensava, com 1 em 3 pessoas apresentando pensamentos paranóides, 5% apresentando delírios persecutótios e 1% que os apresenta em grau severo.

Pensamentos paranóicos são melhores explicados como tentativas de se tentar entender eventos como eventos sociais ambíguos, um olhar, algo que foi dito ou eventos internos ambíguos como experiências ou sentimentos estranhos. Em TCC busca-se entender o porque o paciente desenvolveu os pensamentos paranóides, quais circunstâncias levaram a este desenvolvimento. A TCC lida com a evidência que suporta os pensamentos paranóicos do indivíduo.

Exemplo:
Um paciente acredita que os vizinhos estão a perseguí-lo e a desejar-lhe mal. "Eu saio na rua e vejo as cortinas a mexer e fico ansioso".  Neste caso, a pessoa sai a rua e procura evidências que suportam suas crenças. Deve-se explorar se quando sai à rua, já está a sentir-se ansioso? Chega a conclusões precipitadas? Esta pessoa avalia outras explicações para a sua situação?
Avaliar outras explicações é parte do tratamento TCC para pensamentos paranóicos, procurando por gatilhos específicos. O tratamento consiste em monitoramento do quadro, entendimento das causas (emoções, passado do paciente, estilo de raciocínio), e ajudar o paciente entender que pensamentos não são fatos, necessitando de evidências prós e contras antes de se chegar a um julgamento. Ajuda-se o paciente a testar seus medos: a ameaça é realista? e como lidar com os pensamentos paranóides quando ocorrem, ao invés de lutar contra eles. Técnicas de redução de preocupações também são parte fundamental do tratamento.

Técnicas de redução de preocupações (Worry reduction technics)

Preocupação é uma forma de pensamento exagerado (catastrophization ou "catastrofização"). Quando um paciente utiliza esta forma de pensamento, sempre chega às piores conclusões.
Preocupar-se sempre leva os pensamentos por um caminho negativo. Após demonstrar como preocupar-se é negativo, deve-se tentar implementar "períodos de preocupação", postergando as preocupações para mais tarde (nunca ao fim do dia) e confinando-as a períodos de 20 minutos. Após este período, utilizar técnicas de resolução de problemas ao invés de pensar no pior (catastrofizar).

Muitas estratégias para lidar com a paranóia são estratégias para controle de ansiedade, claramente aplicáveis a esta condição, que parece ser um tipo de medo ou fobia. Especificamente para paranóia, tenta-se evitar viéses de raciocínio (chegar a conclusões precipitadas), viéses de raciocínio confirmatório (tendência a apenas levar em conta evidências que confirmam os pensamentos)  e entender que estes pacientes menos provavelmente buscam outras explicações para eventos.
Experiências anormais e estados internos incomuns aumentam a paranóia como alucinações, distúrbios do sensório ou sentimentos: sons parecem ser mais altos, cores mais brilhantes. Estas experiências levam o indivíduo a buscar explicações, tendendo a pensar em explicações mais hostis.

Especificamente do terapeuta, espera-se que seja alguém que reflita mais e ouça seu paciente. Indivíduos que sofrem destes quadros em geral não são ouvidos e constantemente tem que se justificar. Evite questioná-los nas primeiras sessões. O examinador deve sempre avaliar pensamentos suicidas (maior risco nestes pacientes) e manter uma atitude exploratória interessada e curiosa. Evite dissecar os pensamentos e tente ser empático, sumarizando frequentemente. Não se esqueça de checar outros sintomas positivos ao final e questionar o que o paciente achou da sessão e do seu desempenho.

Imagem_ http://www.examiner.com/recovery-spirituality-in-tucson/research-shows-cognitive-behavioral-therapy-most-effective-treatment-for-crystal-meth-addicts

Posted by Vanessa Marsden at 09:33 0 comments  

Paranoia

Tuesday, 7 December 2010

Paranoia 'e um processo de pensamento altamente influenciado por ansiedade ou medo, muitas vezes levado a irracionalidade e ou delirio.

Historicamente Paranoia vem do grego"παράνοια" (paranoia), que significa loucura. O termo era utilizado para descrever doencas mentais nas quais uma crenca delirante e a unica ou a mais importante caracteristica. Kraepelin utilizou o termo para descrever uma condicao delirante sem aparente deterioracao da capacidade intelectual e sem outras caracteristicas de dementia praecox, condicao posteriormente denominada esquizofrenia. Na descricao de Kraepelin, a crenca nao precisava ser persecutoria necessariamente para ser classificada como paranoica e qualquer crenca delirante poderia ser classificada assim. Phelan et al (2000) relatam que, de acordo com Kraepelin, paranoia e parafrenia sao entidades separadas da dementia praecox, que explicava paranoia como um delirio continuado sistematizado, surgido em idades mais avancadas, sem alucinacoes ou deterioracao, enquanto que parafrenia e uma sindrome identica a paranoia, mas com alucinacoes.

Recentemente os medos da sociedade atingiram novos niveis, seja por terrorismo, adolescentes que bebem em excesso, pessoas que usam drogas, abusos infantis ou alta criminalidade. Novas pesquisas tem revelado que suspeitas sao muito mais comum do que previamente se acreditava. Em geral, um terco da populacao apresenta regularmente suspeicao ou pensamentos paranoides. Alguns estudos chegam a apontar que a paranoia pode ser quase tao comum quanto a depressao ou ansiedade, apresentando um espectro de severidade na populacao, desde pensamentos de suspeicao a crenca delirante historica descrita acima.

O que 'e paranoia?

O termo paranoia cobre um diverso espectro de experiencias. O uso mais moderno do termo envolve:
  • Medo de algo ruim acontecer
  • ideia de que outros venham a causar tal evento
  • a ideia 'e exagerada ou infundada
Estes medos geralmente contem certos elementos: um perpetrador, um tipo de ameaca e uma razao. Em geral o perpetrador 'e um vizinho, um estranho, um colega de trabalho ou um familiar. Ocasionalmente pode ser organizacoes governamentais ou espiritos. Algumas vezes a identidade da pessoa que tenta causar o mal 'e desconhecida.

Como reconhecer se sua suspeita pode ser irrealista? Abaixo um check-list para ajudar:
  1. Outras pessoas pensam que minhas suspeitas sao realistas?
  2. O que meu melhor amigo pensa sobre o assunto?
  3. Ja conversei com outros sobre minhas preocupacoes?
  4. 'E possivel que eu tenha exagerado a ameaca?
  5. Existe evidencia indisputavel de que minhas suspeicoes sao corretas?
  6. Sera que minhas preocupacoes sao baseadas em eventos ambiguos?
  7. As minhas preocupacoes sao baseadas mais em sentimentos do que em evidencias indisputaveis?
  8. 'E provavel que eu seja elevado acima dos outros?
  9. Existe evidencia em contrario as minhas suspeitas?
  10. 'E possivel que eu esteja sendo super-sensivel?
  11. As minhas suspeitas persistem mesmo apos outros confirmarem que sao infundadas?
A probabilidade de que seus medos sejam irrealisticos aumentam mais se voce sente que:
  • ninguem mais compartilha suas suspeitas
  • nao ha evidencia indisputavel que suporta suas preocupacoes
  • ha evidencia contra suas suspeitas
  • seja improvavel que voce seja separado
  • seus medos persistem apesar de outros falarem que sao infundados
  • seus medos sao baseados em sentimentos e eventos ambiguos
Pesquisas recentes identificaram cinco principais fatores envolvidos na ocorrencia de pensamentos de suspeicao.Todos sao bastante comuns e a maioria de nos os apresentou em algum momento. O modo como combinam, porem, 'e o que causa a paranoia:
  • Estresse e grandes mudancas no estilo de vida (eventos vitais) - dificuldades no relacionamento com outros em casa, no trabalho ou isolamento social
  • Emocoes negativas como ansiedade e depressao. Quando ansiosos, 'e comum superestimarmos o nivel de ameaca ou preocuparmos demais. Os sentimentos influenciam grandemente o modo como pensamos.
  • Sentimentos internos estranhos - estresse pode causar sentimentos estranhos (sentir-se estranho, agitado, ameacado), assim como insonia. Algumas pessoas podem sentir-se assim apos o uso de maconha ou haxixe.
  • Sua propria explicacao: pensamentos paranoides sao nossa forma de tentar entender algo. 'E perfeitamente natural tentar entender o mundo a nossa volta e os nossos sentimentos internos. Entretanto, quando estamos estressados, sentindo-nos deprimidos, ansiosos ou irritaveis, nossas explicacoes para fenomenos tendem a ser mais negativas. Pensamos o pior - e muitas vezes o pior das pessoas ao nosso redor. Pode parecer que os sentimentos desprazerosos ou estranhos que estamos sentindo sao deliberadamente causadas pelos outros.
  • Logica (o modo como pensamos as coisas, tomamos decisoes e fazemos julgamentos). Geralmente pensamentos de suspeicao podem se tornar poderosos se nao pensamos em explicacoes alternativas para eventos e nao consideramos inteiramente as evidencias pro e contra nossas preocucapoes. Isto 'e conhecido como chegar a conclusoes apressadas (jumping to conclusions).
Em conclusao, 'e preciso entender que pensamentos paranoicos sao mais comuns do que se pensava e se voce procurou este post por estar se sentindo perseguido de alguma forma, nao esta sozinho. Lembre-se de fazer o check-list acima e tentar reavaliar a situacao sob um outro ponto de vista, balanceando pros e contras antes de chegar a uma conclusao. Se mesmo assim esta a apresentar dificuldade em lidar com a ansiedade e medo, procurar ajuda psiquiatrica ou psicologica 'e o proximo passo para melhorar sua qualidade de vida.

Para saber mais como se desenvove a pesquisa no assunto, o video abaixo (em ingles) mostra a ultima geracao de estudos, que utilizam realidade virtual.



Referencias:
Freeman, D. Paranoia: the psychology of persecutory delusions. (2004).
Wikipedia. Paranoia
Institute of Psychiatry Paranoia

Imagem: http://www.spectec.net.nz/CCTV.htm

Posted by Vanessa Marsden at 08:27 0 comments  

O que os artigos cientificos realmente querem dizer

Saturday, 4 December 2010


O que esta escrito
O que quer dizer

Ha muito tempo se sabe que...
Eu nao tive paciencia para olhar as referencias, mas...

Embora nao tenha sido possivel dar respostas definitivas a estas questoes...
O experimento nao deu certo, mas achei que poderia pelo menos conseguir uma publicacao sobre isso.

O seguinte sistema de condicionamento foi escolhido para estudar o problema
O laboratorio ao lado ja tinha o equipamento preparado

Tres amostras foram escolhidas para estudo detalhado...
Os resultados das outras nao faziam sentido e foram ignorados

Acidentalmente estressado durante a montagem...
Caiu no chao

Manuseado com extremo cuidado durante o experimento...
Nao caiu no chao

Resultados tipicos sao mostrados
Os melhores resultados sao mostrados, isto e, aqueles que eu esperava.

Concordancia com a curva de predicao: excelente/bom/satisfatorio/regular
Regular/pobre/duvidoso/imaginario

Correto dentro de uma ordem de magnitude
Errado

De grande importancia teorica e pratica
Interessante no meu ponto de vista

'E sugerido que... acredita-se que... aparentemente...
Eu acho que...

Geralmente acredita-se que...
Umas duas ou tres pessoas pensam isso tambem.

Os resultados mais consistentes foram obtidos por Jones
Jones era meu aluno

Trabalho fascinante
Trabalho realizado por um de nosso grupo

De significancia duvidosa
Trabalho realizado por outros

Esta claro que muita pesquisa adicional sera necessaria antes de um entendimento completo
Eu nao entendi

Uma teoria quantitativa para explicar estes resultados ainda esta por ser formulada
Eu nao consegui pensar em uma e ninguem mais conseguiu

Agradecimentos a Glotz por sua assistencia e a Doe por valiosa discussao
Glots realizou o trabalho e Doe explicou o que significava

De pureza extremamente alta
Composicao desconhecida, exceto pelas afirmacoes exageradas do fornecedor

Presumivelmente/apos longos periodos
Eu nao tive tempo de descobrir

Trivial
Eu demorei uma semana inteira para entender

Nos obtemos...
Nos tomamos emprestado e nao temos qualquer intecao de devolver

Imagem: http://diandra-epifania.blogspot.com/2010_01_01_archive.html

Posted by Vanessa Marsden at 11:02 1 comments